INSTINTO SELVAGEM
Paul Verhoeven, Basic Instinct, EUA/França, 1992

Basic Instinct. Qual o instinto fundamental do homem para Paul Verhoeven? O poder, a despeito do péssimo título em português, que ressalta apenas o sexo, presente no filme, mas antes enquanto instrumento de manipulação do que como pura forma de prazer.

Em Instinto Selvagem, cada personagem conhece fatos sobre a vida do outro, sem que haja a contrapartida, para, a partir da posse privilegiada da informação, dominá-lo e controlá-lo. Assim, Catherine Tramell (Sharon Stone) sabe os mínimos detalhes a respeito da conturbada carreira do policial Nick Curran (Michael Douglas), Beth Garner (Jeanne Tripplehorne) omite seu envolvimento lésbico no passado com Tramell, da mesma forma que detém a ficha psicológica de Curran (a qual também está nas mãos do agente da corregedoria que investiga o personagem de Michael Douglas), e Roxy (Leilani Sarelle), observa, como voyeur, as relações sexuais de sua amante Catherine com os homens.

Verhoeven, através deste jogo de opacidades, em que as informações são reveladas fragmentada e parcialmente tanto aos personagens quanto aos espectadores, estabelece verdadeira rede de poder, gato e rato no qual o domínio migra de um ponto a outro, inverte-se radicalmente, surpreende. Seja Tramell, capaz de enganar o detector de mentiras ou de prever de maneira maquiavélica o retorno de Curran aos antigos vícios que o levaram a matar inocentes, mas que em certos momentos se comporta com romantismo insuspeito; seja Roxy, que alterna excitação sexual com crises de ciúme; seja Garner, entre a frieza profissional e os sentimentos exacerbados, por Catherine e pelo policial.

Perdido no meio das pistas falsas, Nick Curran é o jogador que aposta contra a banca, tendo como "parceiro de confiança" o crupiê cafajeste. Objeto de estudo por parte de Tramell, que o toma como protagonista de seu próximo livro o escritor e, no caso de Verhoeven, o cineasta enquanto manipulador das emoções dos personagens e do público , Curran representa, no filme, aquele o qual se rende aos instintos e às paixões, que se deixa levar pela irracionalidade, que é tragado pelo inconsciente. Não por acaso, Catherine Tramell e Beth Garner, que o acossam, são psicólogas: é por intermédio do conhecimento da psique humana que elas controlam as pulsões que afligem Michael Douglas.

Trata-se do sexo como método de dominação, como estratégia do poder. Desse modo, ele não pertence mais à esfera do instinto, uma vez que está despossuído de sua função reprodutora (tanto que Catherine odeia crianças), e sim da racionalidade, pois é praticado com o intuito de subjugar o outro. O instinto primordial do homem, como nos animais, é o poder: no entanto, se no reino animal o macho, como líder, prevalece sobre o grupo, impõe-se em relação às fêmeas, marca seu território, em Instinto Selvagem acontece o contrário, com Curran inferiorizado ou por Tramell ou por Garner no local em que elas habitam e dão as cartas (a casa de praia da primeira, o consultório da segunda e mesmo em seu próprio apartamento, Michael Douglas acaba abordado por Sharon Stone, que o invade facilmente), além de vítima das pressões de seus colegas de trabalho, que o perseguem e ironizam. A força predatória que Verhoeven confere às mulheres está resumida, de fato, na misteriosa amiga de Catherine, Hazel Dobkins (Dorothy Malone, presença constante nos melodramas de Douglas Sirk), viúva negra que assassina o marido e os filhos a sangue-frio, para afirmar seu domínio sobre a família.

Quem é a culpada, Catherine Tramell ou Beth Garner, na trama policial que conduz Instinto Selvagem? Sem revelar com clareza a assassina, Verhoeven não apenas reforça o caráter acentrado do poder que oprime e que controla Curran, como também aponta para o próprio cineasta como manipulador maior, fazendo o que quer com a platéia que assiste ao filme
.

Paulo Ricardo de Almeida