Inácio Araújo e Carlos Reichenbach


No final da tarde do dia 2 de setembro, Inácio Araújo nos recebeu para uma conversa conosco e com seu amigo Carlos Reichenbach - que ainda se demourou um pouco em um sebo, mas logo chegou com seu bom humor. Carlão mora perto do escritório de Inácio, e aproveitou um tempo livre entre a finalização de dois filmes para nos encontrar (também estava conciliando no período a função de jurado de uma mostra de curtas de horror). Foi no escritório em que Inácio dá aulas de História do Cinema que Cléber Eduardo, Daniel Caetano e Filipe Furtado tiveram o prazer de representar a Contracampo nessa conversa.

Daniel Vamos começar, então?

Inácio Vamos lá. E sobre o que a gente vai conversar?

Daniel Acho que inevitavelmente vamos falar de cinema atual. Afinal, vocês são dois amigos que acompanham a cena cinematográfica com atenção, sempre com novas e velhas descobertas... (para Carlão) Eu vi um texto recente seu sobre John Flynn...

Carlão Mas espera aí, John Flynn eu acompanho há muito tempo!

Daniel Certo... Mas, com relação ao cinema brasileiro atual...

Carlão Mas que cinema brasileiro atual?

Daniel Você está finalizando dois filmes...

Carlão Mas eles não têm nada a ver!...

Inácio O Carlão é o cinema brasileiro atual...

Cléber Vamos lá, Carlão, como é que você coloca estes seus dois novos filme dentro da produção de cinema atual deste últimos 4 ou 5 anos? Como é que ele não tem nada a ver com a produção recente? Ou como é que tem a ver?

Carlão Olha, primeiro, seria muito arrogante dizer simplesmente que não tem nada a ver. Tem a ver com certeza, mais com o espírito de produção, talvez, mas tem... O que eu não vejo muito é qual o perfil em que se encaixariam esses filmes, tanto um quanto o outro. O que para mim marca estes dois trabalhos é a independência, são filmes que trilham um caminho absolutamente independente... Mas, de certa forma, se você ver pelo prisma de produção e de realização, eles têm tudo a ver. Cada momento, cada instante nos exige uma estratégia. Se você não for atrás desta estratégia, e eu que não parei nem no período do Collor percebo bem isto, o que acaba transparecendo é que acaba sobrando muita impostação, muita preguiça de mexer o corpo...

Daniel Como assim?

Carlão Transparece um certo corpo mole mesmo, um discurso de que não dá pra produzir... Ou você se adapta; percebe que está difícil, que dá para fazer, mesmo que seja complicado, ou não faz. Você precisa buscar as estratégias válidas.. Eu mesmo cheguei até a estudar administração de empresas na época da Casa da Imagem! O Inácio vai lembrar disso... (para Inácio) você lembra da gente nessa época, do nosso projeto?...

Inácio Claro, claro...

Daniel Agora, uma coisa que tem se dito bastante sobre cinema brasileiro é que este é um ano onde nós estamos tendo alguns, não sei se esta expressão cabe nas circunstâncias, mas temos certos blockbusters nacionais, filmes que vêm tendo um contato com o público bem forte, uma bilheteria relativamente alta, desde Cidade de Deus, agora tivemos Deus é Brasileiro e Carandiru. Mas diz-se também que, por outro lado, falta no mercado o filme de público médio, porque os filmes com orçamento médio não estão tendo o nível de público que se esperava, com raras exceções.

Filipe O Homem que Copiava.

Daniel Claro, O Homem que Copiava, antes teve o Avassaladoras...

Carlão Mas tem que levar em conta que por trás de todos estes filmes tem a Globo Filmes. Não tem a Globo Filmes, não tem este público, esta é a grande verdade. O máximo que pode ter é o público do Amarelo Manga, que faz duzentos mil, é um público sensacional, mas é um público de filme independente...

Daniel Foi o que antes fez o Cronicamente Inviável.

Carlão Exato, exato... Não dá para querer generalizar, mas para conseguir um público maior que este tem de ter a Globo Filmes!...

Inácio Ou então uma das majors, Columbia, Warner...

Carlão Não tem nada de Columbia ou Warner, tem que ter a Globo Filmes!

Filipe O Homem do Ano, por exemplo, foi distribuído por major e não deu nada.

Carlão Exato, não deu nada, o filme da Casa de Cinema, o Tolerância, também não deu nada. Porque lançaram as cópias de qualquer jeito e não deu nada, sempre fizeram assim...

Filipe Falta justamente a parte de TV, de divulgação, porque a Globo faz o filme existir.

Carlão Você quer ver um projeto para filme de sucesso para amanhã? Eu tenho um projeto de anos sobre a rebeldia de uma mulher, já mencionei ele várias vezes. Adoraria fazer o filme com aquela menina gostosa, a Kelly Key. Seria um sucesso!... E independente de Globo!...

Daniel Com a Kelly Key?...

Carlão É, a Kelly Key... Essa menina é fabulosa!...

Daniel Mas você já tem uma historia?

Carlão Tenho, tenho, claro que tenho... Não sei é se...Quero ver ela ter a audácia de fazer!...

Daniel E você contaria para a gente agora como seria essa história?

Carlão Não tem nada de mais, a questão não é essa. Só que não seria uma coisa ridícula, puramente comercial, de baixa informação, etcétera... Audácia neste sentido, porque seria um filme autoral. Quem não ia querer ver esta mulher na tela grande? Não precisa ser nenhum profeta para enxergar que este filme que estão fazendo com o padre Marcelo vai dar público. Esta colaboração é uma coisa para mim muito interessante, porque me lembra algo das décadas de 60/70.

Inácio Este filme do padre Marcelo eu acho muito interessante, porque ele está indo a um público que hoje não é mais o público do cinema. Nós tivemos um filme, que eu não cheguei a ver, sobre Nossa Senhora Aparecida, feito na Boca do Lixo.

Carlão Com o Nelson Teixeira Mendes...

Inácio Enfim, estas idéias são válidas, trazem um deslocamento nesta ordem, porque as coisas andam muito convencionais. Cinema está virando uma coisa de coluna social.

Carlão Esta coisa é muito engraçada... Porque naquela época os cineastas de verdade, os autores, faziam isso. Roberto Farias, por exemplo, quando teve o Promessinha, fez Cidade Ameaçada, que foi um puta sucesso!... Quando teve a história do Tião Medonho, fez Assalto ao Trem Pagador, que não nasceu para ser um cult movie...

Daniel E sim pra ser um filme de grande público...

Carlão - Exato, um filme de público, um filme sobre a história do Tião Medonho, que era algo bastante lembrado à época. Como de uma certa maneira também era O Bandido da Luz Vermelha, que era um bandido famoso e o público ia ao cinema atraído pelo título e depois descobria que não era nada daquilo...

Inácio - Mas foi originalmente um filme pra cinema Marabá.

Carlão Claro, aproveitando o fenômeno do Bandido da Luz Vermelha... Porque isto era algo muito comum da época, teve o Massacre no Supermercado, do J.B. Tanko, que é um filme interessantíssimo, em cima de um fato que foi capa de caderno policial... e que acaba servindo de manancial para o cineasta. Hoje em dia, o que se vê é que a televisão tomou isso, já não há como ter a rapidez da década de 60...

Daniel Mas não é só isso, tem a questão também do mercado conseguir unir o talento à estrela. Eu estou pensando aqui, por exemplo, num filme que todo mundo deve estar esperando ressabiado, o da Sandy e do Junior. E lembro também de outro exemplo que deu errado alguns anos atrás, que pode até ser que tem tido algo a ver com distribuição, que é o Cinderela Baiana, em que a Carla Perez era a estrela...

Carlão Mas este é um filme que nasceu para ser errado pela forma de lançamento... Entre os amigos, nós já prevíamos isto de certa maneira, porque a forma como ele chegou ao público já foi toda errada... Porque é um filme que se apoiou na venda de vídeo. O cara se deu por satisfeito em pagar os custos do filme no vídeo! E ferrou o sócio dele, que era o Galante... Se deu por satisfeito quando vendeu o filme para vídeo, e aí é claro que queimou o filme! E ferrou o produtor! Eu não quero ser advogado do Galante, mas foi isso que aconteceu, não teve nada a ver com a qualidade do filme. Até porque qualidade não tem relação nenhuma com sucesso comercial, tanto é que o maior sucesso que o Galante teve foi um filme rodado em um semana e montado em um mês, e foi lançado no Marabá, que foi A Filha de Calígula, que foi feito assim para chegar nos cinemas antes do Calígula ser lançado... Porque tem este lado todo oportunista... Ou você fica ligado nessas oportunidades ou é a TV Globo.

Cléber Falando nisso, tem uma certa demanda que vem marcando muito a produção de filmes, parece haver uma demanda por filmes que tratam de violência, exclusão social, e que acabam se protegendo pela temática... e que curiosamente, inclusive, são muitos destes filmes que freqüentam as colunas sociais, os tais filmes sociais que não saem das colunas sociais... Me parece que uma parte da crítica fica um tanto acanhada em analisar estes filmes como cinema, tratando deles só como discurso sociais. Isto foi claro no Cidade de Deus, no Carandiru e, de certa forma, no Ônibus 174, estes foram filmes que as pessoas falaram mais do tema do que do cinema. Vocês acham que está acontecendo isto mesmo? Que esta é uma linha que ainda vai durar um tempo? Que são só estes filmes que acontecem lá fora, que saindo disso não se consegue, por exemplo, chegar aos principais festivais internacionais?

Inácio Começando pelo final, eu sempre achei que, seja em relação ao Oscar, seja Veneza ou Cannes, nós temos que primeiro satisfazer a nós mesmos, parar com esta história de só reconhecer os filmes após o reconhecimento estrangeiro. Quanto ao filme social, pode durar algum tempo, pode se desgastar, é difícil dizer. Eu acho que justifica sua existência o bom diálogo que eles vêm mantendo, isso é sintomático de um certo desejo por parte da sociedade... Agora, do ponto de vista crítico, tanto faz que seja o Ônibus 174 ou o ônibus que faz a viagem normal e não acontece nada, talvez este segundo até renda um filme mais interessante. Mas aí nós retornamos a uma questão antiga, sobretudo para quem como eu e você, que escrevemos para veículos grandes, porque nós escrevemos para um público que não quer saber muito de cinema, o que acaba te levando até o conteúdo, e não passando por questões estéticas... Freqüentemente eu encontro pessoas que vêm até mim e dizem que "o cinema brasileiro está ótimo, os filmes são tão bem feitos"... Francamente, tem coisas que eu gosto, mas não é dos momentos em que eu consiga me entusiasmar mais. Outro dia eu peguei por acaso, no Canal Brasil, um filme do Victor di Mello chamado Giselle, que é muito ruim, mas tem algo ali que é muito verdadeiro. Havia uma preocupação com o olhar que eu já não vejo mais. Eu me ressinto muito do público de cinema ter mudado tanto. Ali, diziam que a menina tinha voltado da Europa, mas você via que ela não tinha cara de quem chegava da Europa, no máximo ela tinha voltado de Bangu, mas tudo bem, o filme seguia numa boa...

Daniel- Eu gosto muito de Giselle...

Inácio Você gosta muito? Pois é... Agora, hoje me fica a impressão de que existe algo muito artificial... Há quem consiga driblar isso, mas não são muitos. O tipo de exigência do público é que tem que ter um roteiro bom, tem que ter a fotografia boa, o filme acaba todo empetecado, um certo novo-riquismo. Engraçado nisso, talvez seja a época, agora você vê o cinema argentino, talvez não tenha tanto mais do que nós, mas eles têm uma questão, enquanto as nossas questões, e a social é uma delas, ficam sempre num segundo plano. Aqui você fica numa coisa vaga humanística onde no fim se escamoteia as questões... Acho que para você ter um grande momento de cinema, você precisa estar vivendo um momento social coletivo também, por pior que seja a situação do país. A Argentina mesmo é um bom exemplo disso. Funciona porque eles têm um objetivo, têm algo a resolver... Enquanto nós... parece que estamos num breu. Uma situação meio como a desse filme do Woody Allen, Dirigindo no Escuro, todo mundo dando um vôo cego sem saber por que está filmando. Daí você acaba aportando no ponto seguro que é o problema social e faz um filme, melhor ou pior.

Cléber Achei legal você citar o cinema argentino, porque o cinema argentino que eu venho acompanhado, mesmo quando não tem nada a ver com a Argentina, tem tudo a ver, porque eles conseguem trazer toda a questão do país para dentro do filme mesmo que de forma indireta. E me parece que eles sabem muito bem contra quem eles estão falando, existe um alvo. Enquanto aqui, nestes filmes sociais, e o Ônibus 174 me parece o exemplo maior disso, existe uma culpabilização da sociedade inteira, o que acaba gerando uma situação em que o espectador que pagou o ingresso para ver o filme fica livre da culpa, porque ela é de uma sociedade abstrata, que são os outros, ao mesmo tempo que nunca é diretamente o Estado. Não sei se vocês concordam comigo, mas eu sinto que há uma abstração...

Carlão Olha, eu queria discordar de você e do Inácio, porque eu não vejo nada demais nesse cinema contemporâneo argentino, que, sinceramente, eu acho uma merda!... Acho tão hollywoodiano e com pretensão de ir para Oscar quanto o brasileiro hoje. Para mim o cinema argentino que interessa é o do Subiela e daquele outro cara...

Daniel O Agresti?...

Carlão Esse, o Agresti... Depois da geração deles me desinteressa completamente, é um cinema para exportação, um cinema de vender imagem. Um cinema de cara única, inclusive é algo que eu acho que o cinema brasileiro ainda não tem, que é este cinema de cara única... Que é uma coisa que eu tenho horror!... As pessoas ficam achando ótimo, mas para mim os filmes são todos iguais... Eu acho que, depois deste enterro apressado do cinema da política dos autores, de certa forma o cinema no mundo inteiro passou a ficar desinteressante. Eu não gosto deste cinema argentino, não saio de casa para assistir, não tem filme do Subiela, nem tem filme de nenhum autor interessante. Só existem algumas exceções...

Inácio O grande cinema sempre é exceção.

Filipe Teve o La Ciénega, da Lucrecia Martel, que é um belo filme.

Inácio É... Eu acho que o cinema argentino, eu não tenho certeza porque não conheço o suficiente, também tem os dois lados...

Carlão Mas então é a mesma coisa daqui! É o cinema do best-seller, se você ver bem, todos estes filmes são de livros bem vendidos: Cidade de Deus, Estação Carandiru - que é um filme que eu gosto muito -, O Homem do Ano e tal... Então acabou-se os autores, então vai o que puder, todo este comércio aí... Voltou o discurso que para mim sempre torrou o saco, que é o discurso do mercado. O que, para mim, tornou este cinema absolutamente desinteressante. Agora, você acaba notando certas coisas interessantes. Vocês falaram da crítica. O cinema italiano parece que deu uma levantada recentemente, e eu vi uma análise sobre a responsabilidade da critica nesta volta, é uma coisa muito séria... Eu li o Stefano Satta Flores, que é um crítico importantíssimo, ele estava dizendo que a crítica se conscientizou que a função dela é fazer o público se animar para ir ao cinema ver os filmes...

Daniel A obrigação do crítico é fazer a pessoa ir ao cinema?

Carlão Não, você não está entendendo... Eu não quero dizer que é só pra falar bem. Agora, quando for para falar bem, tem que falar com entusiasmo! Falta paixão, cacete!... Escrever com tesão...

Inácio Sim, às vezes falta paixão...

Carlão Eu sempre digo para o Inácio que as melhores críticas dele me faziam querer parar de ler o jornal e ir ver o filme naquele instante!.. Lembro que, quando ele escreveu sobre A Bela Intrigante, eu falei "Porra, eu vou ao cinema ver esse filme agora!". Esta é que é a grande crítica, esta é a tradição da grande escola da critica!...

Inácio Acho que tem que matizar um pouco as coisas. Porque aqui, no meio desses filmes todos, nós também temos os filmes do Coutinho, o que é uma preciosidade... E não acho a questão do best-seller importante, porque a partir deste material você pode fazer um bom ou mau filme.

Carlão Mas isso é só mais uma coisa.

Inácio Isso não é relevante.

Carlão Mas é mais uma coisa, é o cara pensando: "bem, o quê que vai dar certo?"... Quer dizer, isso é o mau oportunismo... Não é aquele oportunismo bárbaro e nosso.

Daniel É só seguir uma fórmula...

Inácio Eu sou da opinião de que você pode pegar o best-seller, você pode partir da fórmula, que não tem problema, o problema é onde você chega, não donde você parte. Se você partir do Paulo Coelho e fizer um filme legal, por que não?...

Carlão Aí fica esta coisa de ficar tudo com uma cara só, aí, por outro lado, tem uma coisa que aconteceu agora com a crítica que me chama atenção pelo que aconteceu em Gramado. Eu nunca vi a crítica ser tão moralista, tão reacionária, tão babaca...

Daniel Com relação a que?

Carlão Com relação a tudo, mas sobretudo com o filme do Dennison Ramalho. Os caras vão reclamar que o Dennison falou três palavrões, aí na semana seguinte no prêmio da MTV se fala palavrão o tempo inteiro e ninguém diz nada! Ninguém disse nada, ninguém escreveu nada!... Ali onde era uma coisa idiota, aquilo é uma televisão para imbecil! Nunca li textos tão caretas na minha vida como em relação àquilo lá, inclusive falando mal de um filme que é um dos melhores filmes do cinema brasileiro dos últimos tempos!... Um filme que na verdade reinstitui o melhor do cinema brasileiro, de Mojica a Julio Bressane. É um filme de uma brasilidade filha-da-puta...

Daniel O Amor só de Mãe?

Carlão O Amor só de Mãe. É um dos melhores filmes do cinema brasileiro dos últimos tempos. Teve o Amor só de Mãe, teve o filme do Carlos Adriano, que também é uma maravilha. A grande verdade é esta crítica não está descobrindo mais nada, o que me assusta é isto... Eu freqüento Gramado faz 20 anos. Todo ano eu ouço a mesma coisa, que a seleção sempre está uma bosta. Todo ano, segundo eles, está uma bosta! Tem 20 anos que eu ouço isso, por incrível que pareça, o único ano que disseram que a seleção estava bacana foi um ano que ela era bastante discutível, só com filmes com a cara da Embrafilme. Este negócio de você taxar que a seleção está uma bosta é pura preguiça. Se diz por aí que estão elogiando demais, mas eu não acho que estão elogiando não... O que existe são alguns filmes fashion, que estes sim as pessoas têm medo de falar mal.

Daniel Já que nós estamos falando disso, e retornando a questão do filme social, você se colocou abertamente contra o Cidade de Deus...

Carlão Mas isso é uma coisa pessoal, na verdade eu nem vi o filme.

Daniel Você não viu Cidade de Deus?...

Carlão Não vi... Vi o curta que fizeram antes, o Palace II e nem quis ver o filme depois. Falei para mim mesmo que não ia ver um filme que era aquilo ali, pra quê que eu vou ver?... Eu vaiei o curta!... Eu fazia parte do júri em Brasília, mas mesmo assim eu vaiei, pelo amor de Deus... Não, eu não vou perder o meu tempo... Para quê ver um negócio que eu já sei que eu não vou gostar?

Cleber A pergunta era justamente sobre estes filmes sociais. De certa forma, botou negro, pobre, sertanejo ou favelado na tela, há uma sacralização da obra em função disso. E eu sinto que muito deste verdadeiro clima de Fla-Flu que aconteceu em relação ao Cidade de Deus vem daí. Onde quem defendia o filme parecia estar mais preocupado em deslegitimar as críticas feitas ao filme.

Daniel Eu também queria notar o seguinte, que o Cidade de Deus foi comparado em alguns lugares ao Uma Onda no Ar, pelo menos a revista Cinestesia fez isso, mas acho que todo mundo que viu os dois filmes percebeu que CDD tinha uma similaridade muito grande com o filme do Helvécio Ratton. Só que, apesar disso, salta aos olhos que o Ratton seguiu uma linguagem tradicional, até de certa forma engessada por uma série de fatores, enquanto o Fernando Meirelles se antenou com uma linguagem corrente da nossa época. Nisso daí o filme do Ratton foi muito criticado.

Inácio Porque parecia ser datado de muito tempo atrás.

Daniel Então, o espectador pode até não discutir linguagem, mas as opções do cineasta são decisivas para sua postura diante do filme. O que eu queria perguntar para o Carlão, mesmo ele não tendo visto o filme, é até que ponto você acha que se justifica ser apelativo para chegar a questão que você quer apontar? A partir de que ponto o caminho em si já torna injustificado a tentativa de se chegar ao fim?

Inácio Daniel, a questão, se você pegar o Uma Onda no Ar, não é de ser ou não apelativo... A questão é a seguinte: começa o filme, se eu bem me lembro, um carro de policia começa a subir a favela, então você vê traficantes e os rapazes da rádio, volta para a polícia subindo e qualquer pessoa que tenha visto meia dúzia de filmes sabe que a polícia não vai pegar os traficantes e sim os caras da rádio!... Não dá pra você ter um filme onde você consegue prever tudo, é muito antiquado. Não dá para comparar com o Cidade de Deus, que, quer você queira, quer você não queira, está lá, é de uma eficácia impressionante. E é uma coisa que nós temos de aceitar, que se o filme quer se comunicar com o público tem que ser eficaz. Pode ser moderno como o filme do Meirelles, pode não ser. Eu não concordo com o Carlão, acho o filme do Babenco quadrado ao cubo, mas ele é eficaz dentro do que ele se pretende. Consegue com isso fazer os seus quatro, cinco milhões de espectadores. O cinema tem este lado, ele não pode ser feito só para os leitores da Contracampo. Não é todo ele, mas é uma parte dele que precisa existir.

Carlão Mas, independente disso tudo, ninguém aqui tem condições de definir o que é cinema popular ou não. Mas claro que ele se torna um sucesso comercial quando ele tem todo um peso por trás, uma TV Globo repetindo "vá ao cinema"... Eu me lembro duma novela onde no meio você ouvia um personagem dizer "vá assistir ao Homem que Copiava!"... Independente dos méritos do filme, o cara vai assistir. Nós sabemos que o boca-a-boca se constrói assim.

Filipe Até porque, sem isso, não adianta o cara achar que ele seguir a fórmula que ele acredita vai garantir o sucesso comercial. Pra dar o exemplo do O Homem do Ano, quando eu fui ver no Pátio Higienópolis tinha um casal atrás de mim olhando os filmes em cartaz e um deles perguntou "que filme é este O Homem do Ano?"... Quer dizer, está ali toda a fórmula do filme policial "popular", mas o filme não existe.

Cléber O tamanho do filme determina até a cobertura que ele recebe da mídia.

Carlão Acho que a discussão é outra. O filme pode ser popular, mas não ser sucesso comercial. Agora, o filme tem que ser honesto!... Quer ver um filme honesto? Surf Adventures. É um filme que não mente, ele é pensado para um público que vai lá, não é roubado, vê surfe e fim de conversa. É extremamente bem filmado e é um filme verdadeiramente popular. Talvez eu ou você pudéssemos nem ver, porque ele podia não nos despertar interesse, mas não importa. Ele é direcionado para um público que vai lá, vê e gosta... Este é o que eu acho um filme exemplar como cinema popular. Não dependeu de Globo nem de porra nenhuma. Então existe um cinema popular...

Daniel Nesse caso, popular entre quem gosta de surfe...

Carlão Claro, isso não importa. Agora há filmes assim, este filme do padre...

Inácio É o filme de gênero com uma origem junto a um público especifico.

Carlão Mas o filme de gênero sempre tem uma certa ética, de certa forma. Quem vai procurando aquilo vê aquilo. Agora, se é comercial depende muito de quem está estimulando a venda... Não adianta eu fazer um filme de grande apelo popular, porque ele só vai fazer sucesso se tiver este aparato por trás. Vai fazer no máximo 300 mil espectadores, o que já seria um sucesso.

Inácio Eu acho que a Globo faz parte já desta história. A Globo já esta dentro do cinema.

Carlão Quer ver um filme que pode ser a maior merda do mundo, mas que vai ser um puta sucesso? É o Olga... O filme tem quer ser um estouro de bilheteria, já está saindo matéria de capa no jornal desde o primeiro dia de filmagem!... Isto gera a curiosidade. Às vezes não precisa ter nem a Globo por trás, o assunto mesmo e as condições de produção acabam gerando a curiosidade. Um filme que me interessa por conta destas coisas, até pelo fato da mãe não estar deixando mostrar o filho como gay, é o filme sobre o Cazuza... Você não está curioso pra ver esse filme? Porra, esse eu quero ver, todo mundo já quer ver!... É um filme que você sente que vai ser um grande sucesso de público, por conta de todo este manancial, este aparato que está por trás, o que não quer dizer que seja um filme popular...

Inácio O problema é que não existe mais o público popular como nós conhecíamos antigamente.

Daniel Você tinha falado agora a pouco sobre cinema autoral, sobre a morte apressada dos autores...

Carlão Não! Da política dos autores! Os autores estão todos vivos! (risos).

Daniel Mas me parece que este discurso, que já é bem conhecido e difundido, legitima também uma série de posturas e situações viciadas, um cinema feito de forma viciada... A gente vê o Guilherme Fontes dizendo que o filme é dele e ninguém tasca... Nós vamos ter sempre este problema, quem vai diferenciar se o cara é um autor ou um picareta, e se é um bom autor ou um filho da puta, vai ser o público, vai ser todo mundo que assiste depois do filme ficar pronto. Da mesma forma que quem vai diferenciar se um filme de produtora é um filme eficiente num gênero ou um filme picareta vai ser o público. Agora, como é que dá para solucionar, num cinema que depende de uma série de fatores como o brasileiro, esta produção de um cinema autoral independente, se você mesmo fala...

Carlão Espera aí!.. Só dá pra pensar num cineasta como autor se ele tiver feito no mínimo uns três filmes... Com raras exceções, não existe autor de um filme único...

Daniel O Jorge Furtado, por exemplo, sempre se coloca como alguém que produz um cinema feito em grupo.

Inácio Mas o que é um cinema de grupo?

Daniel Algo como o diretor agir mais como um maestro que como um compositor solitário...

Carlão Espera aí, você está entrando em classificações como aquelas que o Ezra Pound usava no ABC da Literatura, cinema de mestre, cinema de inventor, que você pode usar para literatura, para cinema, para o que quiser... O que você está falando está mais ligado a uma idéia de cinema de artesão. Agora, a questão do autor vai estar sempre passando por caras que têm uma certa quantidade de filmes...

Daniel E isso justifica que o Fontes diga que ninguém mais pode ter a palavra final no filme dele, porque ele se pretende um autor...

Carlão Mas ter a palavra final e ser um autor são duas coisas diferentes. Não é porque o cara tem a palavra final que se garante o aspecto autoral.

Daniel Quem vai observar isso é quem vai assistir. A minha preocupação é que este discurso legitima...

Carlão Que discurso?

Daniel O da política dos autores. Ele legitima um formato de produção que é individualista, que faz a produção e as discussões tenderem ao individualismo.

Carlão Espera aí, você não está entendendo... Eu não estou falando que este seja o sistema ideal. Agora, para mim é o cinema que interessa e acabou. Se é para radicalizar, eu vou radicalizar sim, o que me interessa hoje, no cinema, é buscar o autor. E você encontra! É uma coisa incrível que você sentia na critica das décadas de 60/70, que era o desejo da prospecção. Você ia atrás dos novos autores. Onde ele se manifestava, a personalidade, a assinatura... Me honra dizer que eu fui o primeiro brasileiro a entrevistar o David Cronenberg. Entrevistei para o Folhetim da Folha de São Paulo, e aí um idiota lá botou o título de "o mestre do nojo"... Eu fiz essa entrevista em Rotterdam, tinha um fascínio desde que tinha visto Scanners, depois com Videodrome tive a certeza de que era um grande autor. Hoje eu sinto que estão deixando passar batido. Quer ver um diretor, que inclusive é canadense, mas que não vem tendo como dar a continuidade? É o Christian Duguay, que fez as duas seqüências de Scanners e um filme produzido pelo Wesley Snipes chamado A Cilada, que era um puta filme de ação. Tem estilo, tem personalidade. Quer ver outro que ninguém fala? Tem o Ted Kotcheff, que é um belo cineasta e não filma mais...

Daniel Ted Kotcheff é um bom cineasta?

Carlão É um tremendo cineasta, ou era, antes de cair no esquemão... As vezes eu fico com a impressão de que eu estou ficando louco. Será que é só eu que vejo as coisas? Tem certas coisas que são nítidas. A gente estava falando do John Flynn, outro dia eu estava revendo um filme dele, A Marca da Corrupção...

Filipe Este filme é muito bom.

Carlão É uma maravilha, o roteiro é do Larry Cohen. Mas menos de meia dúzia de pessoas se tocaram na época. Existe um esquema fácil de prestigiar o que já vem prestigiado.

Daniel Isto está muito ligado à legitimação dada pelos festivais.

Carlão E os festivais às vezes legitimam as coisas com atraso fenomenal. Coisas como Sergio Solima, que o Inácio até comentou hoje quando escreveu sobre a morte do Charles Bronson, e que é um puta diretor.

Inácio Foi...

Carlão Mas todos eles foram, porque não teve como dar continuidade. O John Flynn é um caso típico. Fez vários filmes do caralho...

Filipe Até que ficou sem condição de produção...

Carlão - É. Com muitos destes caras aconteceu isso.

Filipe Mas aí entra muito a questão do fim do filme B nos EUA, que deixou muitos destes caras sem suporte. Larry Cohen não filma mais, George Romero também.

Carlão Agora, você quer ver uma coisa do cacete? Que tem um diretor do cacete? É este filme em cartaz com Vin Diesel, O Vingador. É do diretor que tinha feito antes A Negociação.

Filipe Que é um filme bom...

Carlão É bom pra caralho! É isso que eu digo: falta paixão, porra!... Antigamente a turma discutia assim, "se eu gosto do filme vou brigar por ele até no soco se for o caso"... Falta isso, as pessoas não brigam mais por isso. Alguém falava mal do Brian DePalma e isso era motivo pra querer sair na porrada! (risos). Agora, o que você percebe nos filmes deste Gary Gray, um diretor negro, é que ele tem um estilo formidável. O fato de, como você disse, o filme B ter virada filme A acabou com quase todos estes diretores.

Cléber O problema também é que este conceito de autor ficou muito embaralhado, muito nebuloso.

Daniel E os festivais andam legitimando coisas esquisitíssimas. Se você pensar que Michael Haneke é legitimado por ser autor...

Carlão Mas não deixa de ser. É um fascista, mas é um autor, isto é indiscutível. Funny Games é um filme horroroso, eu saí no meio, é pior que o Assassinos por Natureza, se bem que pior do que este é difícil... Mas é um autor...

Cléber Mas o filme é dele.

Carlão Todo o neofascismo do cara está ali na tela. O que não significa uma critica ideológica, caso contrário eu não gostaria do William Lustig. Até porque mais reacionário que William Lustig, nem Samuel Fuller. E apesar disso hoje ele é o nosso Henri Langlois. Ele vem recuperando os filmes pela sua distribuidora (de DVD), a Blue Underground, tudo que há de melhor no cinema e que não tem reconhecimento. E é o cara que fez os filmes mais fascistas dos EUA. E tem um talento descomunal. O Mensageiro da Morte é um filme impressionante. Voltando, eu sinto falta deste entusiasmo, desta paixão...

Filipe Mas isto tem muito a ver com o perfil da crítica hoje.

Inácio Acho que não é uma questão só de critica não, existe um novo perfil da organização cinematográfica. Esta paixão que o Carlão tanto fala é um sentimento que vinha num momento onde você tinha cineclube, onde você tinha uma discussão permanente, onde havia uma crença do cinema como a arte do século. Coisa que hoje, a rigor, não existe. E quando existe não é muito partilhada, só algumas pessoas que são cinéfilas. Mas é algo que quase não existe. O cinema entrou num momento diferente. É uma coisa, entre outras...

Carlão Tem uma coisa que determina um pouco também o fim deste cinema de autor é que começa a desaparecer a figura do diretor que gosta de cinema, o diretor crítico, o diretor que escreve sobre os filmes, que assiste muitos filmes. Virou esta mania agora do diretor dizer que não vai muito ao cinema, todo mundo fala isso pro jornal pra fazer tipo... Eu já nem vou ver o filme se o cara me fala um troço desses.

Daniel O Orson Welles dizia isso...

Carlão Mas é mentira! Mentira! Você pode ver qualquer plano do Welles, você vê ali uma paixão por Fritz Lang, por exemplo, que é óbvia! Muito pelo contrário...

Daniel Mas dizer ele dizia...

Inácio E o que o diretor diz nunca importa. Ainda mais o Orson Welles, que era um puta mentiroso. Agora isto que o Carlão diz é algo que eu sinto muito e me impressionou muito no último filme do Woody Allen, em que o cara dirige o filme todo cego e isso é, mais ou menos, o que eu sinto acontecendo com um monte de gente. As pessoas ou não têm tempo de se formar ou não acham necessário. Você sente a precariedade teórica de muitos filmes. O cara simplesmente filma, com resultados melhores ou piores, mas depois de dois ou três filmes você percebe que o cara não sabe por quê está filmando. Aí o cineasta em geral fica na mão do diretor de fotografia, do produtor. Eu até discordo do Carlão sobre esta questão do autor, porque eu acho que a organização do cinema mudou muito. O que não quer dizer que os autores não possam ser interessantes. O que me parece mais grave é que hoje nós temos um contingente muito grande que não vê filme, que faz sem conhecer. Se o cara for um gênio pode até acontecer de ficar bom, mas estatisticamente é improvável, quantos na população são gênios? Se o cara não conhece, não vê, não busca se inteirar sobre a sua arte, não tem como dar certo. Por alguma razão, isto só acontece no cinema. Vocês já ouviram falar de algum escritor que não leu Machado de Assis ou Cervantes? Porque, se não leu, o cara vai, escreve uma coisa e pensa que está inventando o romance. No cinema já não tem isso, por alguma razão misteriosa voltou a não ter.

Daniel Talvez porque durante um período tenha se produzido em excesso um cinema se referindo ao cinema...

Inácio Mas você não precisa se referir ao cinema. Isto não é necessário. Eu vejo o Bressanne, que é um cineasta formidável, mas tem uma coisa que me enche o saco, por que é que todo filme tem que ter uma claquete?... Não precisa disso para mostrar que está fazendo uma reflexão cinematográfica. Aí estas pessoas, quando acabam vendo A Inglesa e o Duque, saem dizendo que o filme é reacionário ou que é um filme chato onde se fala muito. O Rohmer está fazendo uma reconstituição de época em digital, usando quadros, onde ele acaba conseguindo o mesmo efeito que se via nos filmes do Meliès. Porra, é um filme onde o cineasta esta com um olho em 1900 e o outro em 2100!... Ele não precisa falar de cinema para nós sabermos que ele sabe do que está falando. Agora, eu acho engraçado que outro dia houve uma exibição de um filme do Jim Jamursch no Cinesesc, parece que lotou tanto que até houve briga na porta. E uma semana antes tinham exibido um Bresson que ficou vazio. Agora, por que isto não acontece com o Robert Bresson, a quem o Jim Jamursch deve tudo?

Filipe Mas a sessão do Sesc só lotou porque o Pedro Butcher tinha escrito um artigo sobre o filme no dia.

Cleber Mas ter saído um artigo na Folha sobre este filme já é sintomático de alguma coisa. Porque o Bresson não aparece na primeira página da Ilustrada?

Carlão E deveria!...

Inácio Se vocês quiserem entrar na questão midiática, nós entramos numa boa. Agora, a questão é: ou o cinema começa a ser visto por quem faz, ou nós estamos fodidos. Quando eu vejo o filme do Eduardo Valente e eu vejo uma série de outros curtas em seguida, tem uma diferença até epistemológica entre eles!... Você percebe que o Eduardo sabe o que está fazendo, enquanto o outro está lá naquela de "eu vou contar uma história"... Porra, se for só para contar uma história, eu conto uma aqui agora para você, eu não preciso fazer um filme! É mais econômico e rápido.

Carlão Uma coisa que para mim é mais grave é que o cinema foi jogado na vala comum do audiovisual. Esta para mim é a grande questão. Até os cursos de cinema mudaram. Não se ensina mais cinema, mas o tal audiovisual. Porra, audiovisual é o cacete, não pode misturar televisão com cinema!

Daniel Você está falando da ECA?

Carlão O problema não é só ela.

Inácio A ECA certamente. Mas Campinas agora também está abrindo um curso nesse caminho que... com tudo que pode ter de interessante com pesquisas sobre novos meios, novas mídias e tudo mais, não faz sentido jogar o cinema junto disso tudo...

Carlão Quando eu era professor da ECA, eu visitei faculdades de seis países diferentes e em nenhum lugar se mistura cinema e TV. Só no Brasil! Nós fomos à escola do Shohei Imamura, que é a melhor escola de cinema do Oriente. Você foi ou acabou não indo, Inácio?

Inácio Não fui não.

Carlão É a melhor escola de cinema do Japão. Forma técnicos em todas as funções. Sabe o que os alunos fazem durante o primeiro ano inteiro? Roteiro! Vai aprender a escrever para cinema primeiro... O que acontece aqui, hoje, é que caiu tudo na vala-comum. Não é só conhecimento de cinema que você sente falta, é de um repertório maior mesmo.

Daniel De uma discussão teórica mesmo...

Carlão De conhecimento de pintura, de artes plásticas, literatura. O sujeito hoje vem da MTV, não sei de onde, e fica repetindo que o negócio é imagem, que imagem é imagem. Imagem virando qualquer coisa...

Inácio Espera ai, Carlão. Você esta pintando um quadro desesperador.

Carlão Mas é desesperador!...

Inácio Se o cara nem ao menos lê...

Daniel Eu acho que a vida é mais complicada que isso. Tem gente que ainda conhece a fundo a Rembrandt e pintura em geral, conhece Velásquez e tal e isso não define nada...

Inácio Não vai ser necessariamente um bom cineasta.

Carlão Quem? Me diga?!...

Daniel Em música, teve a Lina Chamie que fez o Tônica Dominante, que o Jairo elogiou na Contracampo, e que entende muito de música...

Carlão Ela é música.

Daniel E fez um filme diferente... Aí do outro lado tem o Aluísio Dider, que também é musico e fez o Um Certo Dorival Caymmi, que é um filme bem mais acadêmico e bem-comportado. Quer dizer, este histórico às vezes...

Carlão Ele fez também um filme sobre o Radamés Gnattali, o Nosso Amigo Radamés, que é uma maravilha!...

Daniel Eu sei, mas infelizmente não vi esse filme...

Inácio Uma coisa que nós notamos, não só no cinema brasileiro, é uma absurda incapacidade de perceber as coisas. Não é que o cara não sabe filmar, ele não sabe olhar. Olhar o mundo é algo mais difícil do que fazer filme, exige do cara uma capacidade de observar as coisas. Isto está tudo na história do cinema. Qual o projeto do Jean Renoir? Fazer um grande apanhado da gestualidade francesa. Se você sabe quem é Renoir, você compreende este projeto.

Daniel Mas acho que o cara tem que ter também a liberdade para ir viver e ganhar a vivência mesmo a história que está contando. O Fuller, por exemplo, tem essa vantagem. Além da paixão pelo cinema, ele viveu muito, não se escondeu da vida.

Carlão No caso do Fuller tem muito o lado de ter sido jornalista.

Daniel É, de se interessar pela história dos outros, mesmo. Olhar, enfim...

Inácio Tinha uma coisa bonita que o Mizoguchi dizia: depois de cada plano, era preciso lavar os olhos. Quer dizer, deixar a vista virgem para olhar de novo. Eu tenho a impressão de que cinema é uma disciplina. Ele exige uma certa disciplina. Eu me sinto muito aborrecido quando tenho a sensação que o cara está querendo me tapear.

Daniel Mas você citou o Eduardo, e ele mesmo costuma dizer que tem essa questão com a cinefilia e com o cinema da cinefilia, que às vezes o filme pode até ser interessante porque o diretor viu muito cinema, mas parece que o cara não tem nada para dizer de fato, não há vida além do cinema...

Inácio É evidente que não é tão simples assim. Se você for um imbecil e ver 500 mil filmes, não vai adiantar nada. Você tem que ter capacidade de falar alguma coisa. Tem também o diretor que sai com um primeiro filme maravilhoso, mas depois falta uma idéia que lhe dê fôlego para continuar. Você tem que ter uma capacidade de vivenciar as coisas. Observar o mundo é uma coisa muito difícil.

Daniel Sobretudo no cinema narrativo, onde você tem sempre esta ligação muito forte com os personagens.

Inácio Criar a verdade é uma coisa muito difícil, criar verossimilhança é fácil, mas a verdade é algo complicado. Qualquer coisa que aconteça ao seu redor interfere, e na maior parte das vezes contra... Agora, em vestibular cinema virou a profissão mais procurada. Por que mais procurada?...

Cléber Depois de publicidade.

Inácio - Tudo bem, mas em publicidade você tem como ganhar dinheiro. Cinema, não. O Carlão pode falar melhor sobre isso...

Carlão Porra...

Inácio Mas é uma vida de você passar cinco anos juntando dinheiro para fazer cada filme. Ainda tendo que usar esta palavra, "captação", que é por si só humilhante. Quer dizer, para quê? A não ser que a pessoa sinta que precisa fazer cinema, é melhor que vá estudar outra coisa...

Carlão Agora virou moda.

Inácio Francamente, eu prefiro os tempos da Giselle.

Carlão Eu insisto no ponto do cinema ter caído na vala comum do audiovisual. Isso me lembra um lado problemático do campo da música. O caso jovem que parece levar jeito para música e as pessoas dizem "ah, não precisa estudar", "não precisa fazer nada", é só ter talento... Acho que com esta coisa do audiovisual está acontecendo algo parecido. A pessoa acha que não precisa ter formação, e isso não é verdade. Até porque cinema nisso se aproxima da literatura, ele tem uma gramática que você precisa dominar, maior até do que na música. Você olha os filmes, isto parece que não existe mais. O cara diz "vou fazer um filme do caralho" e vai lá e faz algo de qualquer jeito. As pessoas acham que não é preciso conhecer as regras, que qualquer um faz um filme... Eu lembro que uma vez eu ouvi o Mauro Rasi dizer algo nessa linha e quase caí de quatro... Como cineasta, eu acho isso um desrespeito. Eu não saio dizendo que se eu quiser eu monto uma peça com tranqüilidade. Ele disse algo do tipo "se eu pegar um bom assistente de direção e um bom diretor de fotografia eu estou escolado". É um absurdo!...

Daniel Volto a citar o mentiroso, porque o Welles dizia isso também... Que se você tivesse um bom montador e um bom fotógrafo dava para tapear a carreira inteira.

Filipe Dá para ficar fazendo filme meia-boca a vida inteira, isso sim.

Carlão As pessoas acham que não tem o que aprender. Eu sempre brinco que eu tive o privilégio de levar muita cacetada nos primeiros filmes. De não ter sido nem premiado, nem elogiado com os primeiros filmes, porque acho que isso pode ter péssimas conseqüências para um cineasta. Isto você pode ver observando a história do cinema, quantos casos tem de cineasta que desponta e acaba não indo a lugar nenhum... Se por um lado existe um desleixo com o olhar no cinema brasileiro, do outro acho que falta também para muito cineasta levar porrada, porrada no bom sentido, pra melhorar... Agora, em oitenta ou noventa por cento dos casos é a vivência das coisas que forma o autor. É por isso que eu volto sempre a defender o cinema de autor. Porque isto exige uma continuidade e você acaba limpando no meio do caminho o cara que só quer se dar bem.

Daniel Mas, Carlão, hoje os meios de comunicação oferecem caminhos para qualquer um que quiser se formar e aprender milhões de coisas... ao contrário, o que não falta é informação sobre cinema...

Carlão Porque foi jogado na vala comum do audiovisual!

Daniel Para mim, o problema não está nem na formação do autor, mas da formação coletiva, das discussões mais amplas. Porque eu sinto que coletivamente a coisa está dispersa, ainda...

Inácio É, é exato...

Daniel Fica cada um no seu individualismo e no seu marketing pessoal. Não existe ainda uma noção comum de movimento...

Inácio Estou de acordo com você. Nem sei se onde que você quis chegar era isso, mas eu sinto que é uma questão de formação de povo, mesmo... A forma como as nossas escolas estão funcionando é deficiente. Falta muitas vezes uma noção de formação pictórica mesmo. Não só de quem vai fazer filme, mas um repertório mínimo ajudaria certamente as pessoas a irem assistir o Eu, Tu, Eles e ver aquele céu horroroso e perceber que tem algo errado ali!... Eu vejo muito o Canal Brasil, e eu sinto como no nosso cinema dos anos 70 teve um gosto forte por um irrealismo, um excesso, ele não cultiva esta coisa muito mais difícil que é de você estar no real...

Daniel O naturalismo...

Inácio Naturalismo me faz lembrar uma coisa muito antiquada. Prefiro usar realismo mesmo. Naturalismo me faz pensar em novela da Globo. Se bem que eu quero frisar que acho as novelas da Globo uma coisa importante.

Daniel É um folhetim que funciona.

Inácio É uma coisa digna que tem a sua função, não é contra isso que eu brigo. O problema não é a Globo, inclusive porque eles fazem a função deles melhor do que os outros. Mas, enfim, isto é outra história. Voltando para o cinema da década de 70, existia uma ficção da irrealidade, especialmente no cinema carioca, onde se tinha sempre algo de excessivo. Aí, se você pega os melhores cineastas, um Walter Lima ou Joaquim Pedro, eles driblavam isso, jogavam com isso numa boa... Você vê o excesso do Macunaíma e não tem problema.

Daniel Ou do Guerra Conjugal...

Inácio Que é um filme que eu não gosto muito, mas a parte dos velhinhos é maravilhosa. Enfim, todo mundo tem seus altos e baixos... Nós já tivemos momentos de embate, mas com muita freqüência o cinema hoje é auto-complacente. Queria com isso entrar nesta questão da crítica, que o Carlão falou do crítico italiano ter esta função de levar o espectador ao cinema. Vou te falar uma coisa, Carlão, isto foi algo que aconteceu na época da Embrafilme. Foi um momento que a crítica passou a levantar a bola daquele cinema de tal forma que esta crítica acabou desmoralizada... Porque você fala uma, duas, três vezes que Fulano é bom cineasta, na quarta o espectador não te leva a sério e ninguém vai ver o filme, porque ninguém é idiota. Não dá, uma hora o leitor percebe que não é...

Carlão Olha, Inácio, eu discordo, porque eu não acho que a crítica era simpática com o cinema brasileiro não.

Daniel Acho que ela foi até bastante cruel.

Carlão Foi muito cruel!...

Inácio Ela foi extremamente cruel com o cinema como instituição. A Folha, especificamente. A Veja, mais recentemente.

Cléber A Folha mais nos anos 80 e a Veja mais recentemente por esta questão editorial de ser contra as leis de incentivo.

Inácio No caso da Folha também era uma postura editorial contra a Embrafilme.

Daniel Isso numa fase em que se defendia as privatizações, o choque de capitalismo, as questões do neoliberalismo...

Inácio Sim, mas você tinha que ter criado concorrência em condições idênticas, coisas do tipo... Como instituição se bateu mesmo, e se bateu às vezes de maneira equivocada, mas o problema é que o cinema brasileiro também abria as brechas para estes ataques... Tem coisas que não podiam acontecer e que acontecem... De tal modo que a imagem do cineasta era muito ruim. É uma imagem que só vai ser recuperada agora, com a figura do Walter Salles. Aí as pessoas viram que um cara como ele, filho de um famoso banqueiro e embaixador, também fazia cinema. Voltou a ser uma atividade de gente de bem... Mas, voltando aonde nós estávamos antes, eu acho que está meio perdida esta relação da crítica com a realização. Talvez eu esteja ficando velho, mas o que eu sinto é que as pessoas são muito seguidoras do que elas lêem no jornal ou vêem na televisão. Eu sinto isto de uma maneira meio desesperante, porque antes você tinha núcleos que se destacavam. Agora, hoje você tem esta coisa interessante que são as listas na internet. Ao mesmo tempo, isso isola.

Daniel Cria guetos...

Inácio Não tem congresso, festival, vira uma coisa de gueto. As pessoas ficam indefesas, tem muita informação, mas não tem como filtrá-las, filtrar o que é ou não é publicidade, as pessoas ficam indefesas diante disso. Quando alguém diz que aquilo é bom, aquilo passa a ser bom.

Carlão Você está confundindo a coisa que eu estava falando dos críticos italianos.

Daniel Que era basicamente defender com entusiasmo os filmes que achassem bons mesmo.

Carlão E há uma diferença de contextos. Porque o ponto do artigo que eu li era justamente que o cinema italiano está melhorando e sobre o papel que a crítica cumpre nisso. Não é enaltecer qualquer merda, é destacar os méritos que o filme tem. Pelo contrário, eu acho que tem que ter um discernimento muito claro. Acho que toda crítica tem um perfil, existe a crítica entusiasmada e existe até a crítica política. Tem crítico que só faz isso, não faz outra coisa além de fazer política na parte de crítica. Faz jogo de poder... Agora, a única forma de gerar estímulo é o entusiasmo. Uma vez, eu e o Inácio estávamos conversando sobre aquele cara que foi pego plagiando texto estrangeiro...

Daniel Pepe Escobar.

Carlão Você falou um negócio do caralho certa vez, que é que, quando o Pepe Escobar escrevia sobre o festival do Cakoff, ele tinha tamanho entusiasmo que tudo que ele recomendava você tinha que ver no cinema, porra!... Até descobrirmos que o cara estava traduzindo tudo!...

Daniel Pelo menos ele traduzia bem os textos!... (risos)

Carlão Você ia ver e até podia discordar, falar que o Pepe exagerou um pouco, mas ia ver... Tá que é mais fácil de acertar seguindo certas referências num festival como esse, mas ele se arriscava apostando nos filmes...

Inácio O Pepe tinha este lado sim.

Carlão Era sempre interessante, porque ele empurrava o espectador ao cinema. Até que ele foi descoberto...

Inácio Mas acho que não era tudo. Ele traduzia só de vez em quando, foram poucas vezes.

Carlão Mas ele conseguia lotar as salas na mostra. Ele dava uma página inteira para o filme, dizia que era do caralho. Do outro lado, a crítica que poupa os filmes é tão nítida, tão clara, tão mentirosa!... Ela é como um filme mentiroso mesmo. Pode enganar o leitor apressado, mas o cara que conhece cinema eu acho que dificilmente é enganado. Esta que é uma crítica irresponsável, tanto para elogiar quanto para falar mal.

Daniel Quem dera desse para perceber sempre, Carlão. Tem gente que escreve bem, disfarça bem, nem sempre dá pra ter certeza se é a opinião ou se tem má-fé...

Carlão Sim, claro que tem aquele cara que tem um puta talento para te narrar o filme, aí você vai no cinema e não é nada daquilo... (risos) Lembro de uma vez um amigo me contando Jesus Cristo Superstar, ele me narrou o filme com gestos, fez toda uma construção que eu fui ver no dia seguinte!... E saí do cinema querendo matar ele, porque o filme não tinha nada a ver com aquilo! Falei: "Porra, você contando é melhor que o filme!" (risos)... Ele tinha pegado o melhor da idéia e tratado como se fosse o filme todo... Mas o que para mim é importante é que a critica precisa estimular. Uma das coisas que eu me orgulho foi no período que eu dei aula na ECA ter estimulado os alunos a conhecer cineasta como Shohei Imamura, que eu exibia até sem legenda.

Daniel Eu fui testemunha disso.

Carlão Eizo Sugawa eu exibia sem legenda também. E os alunos iam...

Cléber Inácio, nesse panorama que a gente vive hoje, onde os filmes são tratados basicamente como produtos, qual acaba sendo a função da crítica num veiculo de grande circulação como a Folha? Especialmente quando a gente sente que as pessoas estão, cada vez mais, muito mais interessadas em saber a cotação para saber o que assistir do que propriamente em debater com o crítico...

Inácio Assim você já me desanimou. Para falar a verdade, Cléber, quando eu comecei a dar o meu curso de história do cinema foi um pouco por esta angústia que o jornal cria, ou a revista cria, de não saber bem com quem você está falando. E leitor que escreve carta para jornal, em geral, são todos uns loucos. Daí que você fica sem ter uma resposta...

Cléber O pior é quando você escreve uma crítica negativa e o cara te manda os parabéns pelos elogio que você fez ao filme! (risos)

Inácio Cléber, eu realmente não sei, porque para mim a crítica sempre teve uma função extremamente pessoal, uma vontade de tentar entender as coisas... Foi para isso que eu comecei a escrever. O Jairo tinha a coluna no São Paulo Shimbum, aí às vezes eu escrevia algo lá, o Carlão também. Depois a gente fez a revista Cinegrafia, lembra, Carlão?... Era um desejo de tentar compreender as coisas... Hoje eu acho muito engraçado, porque muitas pessoas vêm até a mim e perguntam "e aí, como é que eu faço para ser crítico de cinema?". Eu digo que, poxa, eu não sei, porque comigo simplesmente alguém parou e falou "escuta, quer escrever na Folha?"... Porque eu nunca procurei me formar para ser crítico. Nunca tinha me passado pela cabeça a idéia de escrever num jornal. Quando nós fazíamos o jornal nos anos 80, quando o jornal era mais elitista, você tinha um trabalho de análise maior mesmo, hoje você por vezes parece que está fazendo um trabalho de hai-kai. Ao mesmo tempo eu procuro ser otimista, eu penso assim, que eu tenho que fazer o meu trabalho o melhor que eu posso. E torço para que a pessoa que vai ao cinema se interesse, porque se ele esta só em busca da autoridade, de saber se o filme recebeu duas ou três estrelas, eu tenho pouca coisa a fazer. Mas eu acho que às vezes, até mais do que a gente pensa, tem uma importância... Eu lembro do Alcino Leite Neto, que contou de uma vez em que ele estava em Minas, aí chegaram pra ele e disseram "vocês aí em São Paulo não sabem da importância que vocês têm, porque aqui em Belo Horizonte a gente lê, depois discute, briga com vocês, concorda ou discorda"... Ou seja, às vezes tem um monte de pessoas a que você não tem acesso para quem este trabalho tem uma importância. Especialmente se você tem uma postura de um certo rigor, evita falar bem de qualquer coisa, mas também não fala mal de qualquer coisa... Evita aquela postura ranzinza de simplesmente ver defeito em tudo, até porque se você quiser você encontra defeito em qualquer coisa, vê Cidadão Kane e diz que o Joseph Cotten não está bem...

Daniel O Bergman disse recentemente que acha o Orson Welles um canastrão!...

Inácio Pode até achar... Eu acho engraçado... Tem aquele leitor que só quer saber como está o ator. Que é o critério mais duvidoso que tem, eu acho que a interpretação do cara é ótima e o outro a dez metros de mim achou uma merda.

Daniel Sem contar que se o montador trabalhar mal o ator pode ficar péssimo ou pode ser salvo na montagem, num caso contrário...

Inácio Eu estou tentando nem entrar nestas coisas. O que eu acho é o seguinte, o trabalho crítico, seja na Folha, seja na Época, seja na Contracampo, seja pessoalmente como o Carlão faz em lista de discussão ou conversa com amigos, é minoritário. O que você vai ter é marketing, divulgação, o interesse pelo cinema mesmo vai ser sempre minoritário. Eu sinto que nós estamos na resistência.

Cléber Eu pergunto isso porque eu sinto que o marketing acaba sendo decisivo inclusive no espaço que a crítica acaba tendo, isso pelo menos nos veículos comerciais o que não é o caso da Contracampo ainda. Não adianta o Amarelo Manga ser dez vezes mais importante que o filme do Guel Arraes, porque o filme do Guel Arraes vai ganhar mais espaço em todos os veículos do que o Amarelo Manga, nem que seja para o cara detonar. Retornando ao exemplo da Globo Filmes, todos os filmes dela, além de todo o espaço na sua própria mídia, que me parece legítimo, acabam ganhando nos jornais impressos, que seriam um meio de maior reflexão, um espaço também bem maior que o dos outros filmes.

Carlão Deixa eu me meter um pouco. Esse leitor que não dá tanta importância para critica e lê de forma mais efêmera o jornal, quando ele só se deparar com informação sobre um filme tal em todo lugar, é óbvio que ele vai acabar dando preferência para ver aquele filme. Agora, tem este outro lado da crítica, que é lida por uma minoria muito pequena, mas que, queira ou não queira, tem uma importância para a formação desta minoria. Eu assisti uma cena até emocionante, de certa forma, no lançamento da revista Cine Monstro. O Carlos Primati (editor da revista) chegou para mim e me pediu: "Me apresenta o Bruno de André, porque foi o cara que mais me influenciou na forma de escrever". E eu fiz questão de chamar o Bruno de André. O Primati lia as criticas dele na Visão... Porra, quem lia a Visão?! Uma meia dúzia de pessoas liam!... Mas, mesmo assim, algumas pessoas foram influenciadas pelo olhar cinematográfico, pelo jeito de gostar de cinema, pela forma de escrever. Ele começou a se interessar por escrever crítica pela forma que o Bruno de André escrevia sobre faroeste. Eu achei isso do caralho! Esta importância que, queira ou não queira, o crítico possa ter. O resto para mim é irrelevante, merchandising mesmo. Não que eu não ache que tenha lá a sua importância, mesmo que não seja crítica de fato, aquele entusiasmo que o Rubens Ewald tem falando dos filmes da indústria de cinema, que é algo que também tem o seu público, que desperta o interesse das pessoas... Às vezes eu fico impressionado com a forma como pessoas que nem têm tanto interesse no cinema me perguntam do Ewald...

Daniel Mas aí entra muito o lado dele servir como um abalizador de opinião, de não fugir do senso comum, do que a maioria vai achar.

Inácio Pois é, pegando só um gancho nisso que o Daniel falou, essa questão da empatia existe mesmo. E este eu acho o pior leitor, aquele que quer uma confirmação daquilo que ele gosta...

Daniel O que não quer discordar do crítico. Se ele discorda, ele já não gosta.

Inácio Eu, desde que eu me entendo como leitor, o que eu mais gostava era de discordar, "o quê que este cara viu nesse livro ou filme?", isto pode te levar a descobrir novas coisas ou não, mas gera uma curiosidade. Mas acho que existe uma tendência geral da imprensa de ser uma coisa muito mastigada. Se você usa uma expressão mais técnica, o editor pede que você coloque junto um glossário, uma explicação do termo. Mas daí vem muito uma mudança no mundo mesmo. Na geração de vocês que não é como a nossa, que a única coisa que tinha como diversão era ler, então a gente lia, se tinha algo complicado você ia mesmo até o dicionário procurar saber o que era... Hoje em dia, se o leitor vê uma palavra que ele não conhece, o cara fica ofendido, acha um absurdo, diz que não pode, que não é academia...

Carlão Você falou um negócio que me lembrou do Rubens Biáfora... Que era um critico que a gente discordava direto, que às vezes ninguém conseguia entender como ele podia gostar de certas coisas, mas você lia, ia ver e tinha alguma coisa! A gente saía e falava "não é que é verdade?"...

Inácio Algo tinha, não era tudo que ele via, tinha um pouco de loucura, mas algo tinha.

Carlão Mas falta hoje esta loucura. Não por acaso Bergman foi descoberto por ele aqui no Brasil.

Daniel Antes do Khouri?

Carlão Foi ele e o Khouri.

Inácio O Biáfora tinha uma coisa interessante, que na década de 70 ele implicava que ator não podia ser cabeludo, que não podia pôr calça boca de sino, e é engraçado, porque você revê estes filmes hoje e entende o que ele queria dizer. Porque eu vejo no Canal Brasil, os filmes daquele época, e você não consegue ver aquilo, fala "de que planeta vieram estes caras?", você nota como aquilo tudo soa datado, aqueles cortes, aquelas roupas... O único problema é que para o Biáfora corte clássico era corte escovinha do exército! (risos)... Você tinha que dar um desconto aqui e ali, mas o que ele falava tinha uma pertinência.

Carlão Ele tinha um olho que era impressionante...Foi o primeiro a sacar Antonioni...

Inácio É verdade... Agora, o que eu queria era voltar ao que Cléber tinha falado. É uma coisa que eu formulei nos últimos dias, que existe uma tendência a se estigmatizar quem vem da televisão. Quando se quer falar mal de um filme se diz que ele é televisivo, mas eu acho que é o contrário, a televisão agregou a linguagem do cinema. Por isso que não faz sentido este curso de audiovisual, porque é o cinema ainda. A novela hoje, o que é? Um cinema de 40, 50 anos atrás, simplificado porque o cara tem que rodar quarenta, cinqüenta minutos por dia. Agora, é evidente que um filme como o Lisbela e o Prisioneiro, que eu ainda não vi, tem uma presença maior por uma série de motivos que são absolutamente extra-cinematograficos.

Daniel Eu não acho que se possa reclamar de falta de exposição do Amarelo Manga na mídia.

Inácio Também não acho. Mas é evidente que os maiores sucessos vão ser aqueles que passaram de algum modo pela televisão, já que é uma propaganda tão violenta que se o filme é bom ou mal não importa, algum público vai ter. A TV vai fazer aquela função de familiaridade...

Carlão Porra, se os caras quiserem me ajudar na divulgação, eu aceito na hora! (risos).

Inácio Claro. Agora, se o cinema brasileiro hoje quiser sobreviver nas condições que existem, quer dizer, um cinema de multiplex para classe média, se quiser ter uma presença nas salas, neste tipo de sala, vai ter que trabalhar com este tipo de fenômeno midiático. Saindo daí vai ter o Coutinho, que só tem feito preciosidades, vai ter o Carlão, que vão estar na maior parte das vezes fora deste grande circuito de badalação, mas que vão ser as âncoras de um cinema mais ambicioso. Claro que nada impede o Guel Arraes de fazer ou ter feito um grande filme. O que é plenamente possível, o Guel Arraes se formou em cinema.

Daniel Inclusive, quando ele foi para TV, diziam que ele fazia cinema na TV.

Inácio Sim, mas eu nem fui um grande fã das coisas que ele fez naquela época...

Carlão O único grande perigo que eu acho que precisa ser levado a sério é quando os procedimentos de linguagem começam a ser submetidos a uma linguagem televisiva.

Daniel Esta gramática da televisão não é filhote da gramática do cinema?

Carlão Olha que muitos dizem que é do rádio, cuidado... Há quem diga que é mais próximo do rádio que do cinema.

Daniel Mas é do cinema também, claro.

Carlão Sim, mas é diferente a forma como esta influência se dá, como ela age. O que se critica com uma certa propriedade é uma subserviência à linguagem da televisão.

Inácio Isto só acontece com os caras de cinema. Inclusive, Carlão, esta história do rádio eu não compro não.

Carlão Mas o próprio pessoa de televisão dizia isso.

Inácio Era o rádio, mas quem era o rádio? Otávio Gabus Mendes! Que é um cara que tinha vindo do cinema... Estes caras todos, Gabus Mendes, Walter Durst, todos eram caras cuja paixão era cinema, mas passaram pelo rádio antes de chegar a TV. Eu não sei se é muito por aí... O que eu acho é o seguinte, a TV acaba sendo a desculpa da coisa para, retornando ao que já tinha dito antes, justificar que estamos, tanto quem veio da televisão ou do cinema, dirigindo no escuro. O perigo real disso aí é formar um monopólio.

Carlão Isto é uma discussão que vai muito mais longe. Inclusive por uma coisa que é primordial para você, que foi montador, que é a edição. Existe hoje um conceito errado que supõe que montagem e edição são a mesma coisa. Este é o grande perigo e é a pior contribuição que a televisão está trazendo num certo sentido.

Inácio Sim, se bobear a televisão traz o pior dela.

Carlão Claro, claro.

Cléber O meu problema com o Lisbela... não é nem o ser televisivo, eu acho o filme pior do que muitas das coisas que o Guel Arraes faz na TV.

Filipe Mas é pior mesmo.

Cléber Para mim é um sub-programa de televisão.

Carlão Quem?

Cléber O Lisbela e o Prisioneiro. Minha crítica ao filme não é que ele é televisivo, é que eu acho que o Guel Arraes faz melhor que isso na televisão.

Daniel O que vocês estão dizendo tem menos a ver com parecer televisão, mas com parecer acomodado mesmo.

Carlão Para mim isto é uma coisa séria, porque você percebe que estão substituindo a figura do montador pela do editor. O editor é um operador de equipamento, um cara que não tem cultura cinematográfica, inclusive não sabe definir o que é montagem, o conceito de montagem. O cara simplesmente corta, o cara acha que é brilhante ele ficar lá cortando de qualquer jeito. De repente, um menino de 24 anos de uma hora para outra é considerado o melhor montador do Brasil. Nada contra estas figuras em si em si, mas isto é uma loucura! A turma corta filme como se estivesse cortando bife! É verdade, não há conceito! O negócio é só dar agilidade, velocidade. Velocidade não é conceito de montagem, vá à merda, porra!...

Cléber Me incomoda muito neste sentido a morte do plano. Os planos viraram flashes. Você nem vê imagem às vezes. Parece caleidoscópio mesmo, uma coisa não liga com a outra. Quer mais esconder a imagem do que revelar.

Daniel Mas aí se pode cair no fetiche pelo plano-sequência. Há filmes com planos-sequência que não funcionam, que são um pé no saco, assim como a montagem rápida pode ser bem usada...

Filipe O problema não é a montagem rápida em si, porque ela pode ser uma opção se bem pensada, o problema é que a maioria não pensa...

Carlão Existe só a velocidade. Como se estivesse montando publicidade, esta é a grande verdade.

Inácio Carlão, outro dia na Tv a cabo eu vi um filme que parece Corrida em Busca do Amor! Os Náufragos do D17, do Luc Moullet...

Carlão Mas o Luc Moullet me lembra o meu cinema.

Inácio Continua lembrando. E o personagem é um corredor de rali. Aí aparece um cara num observatório, uns soldados atrás do Saddam Hussein, o filme se passa em 91. Mas é muito bom!

Daniel Portanto, é com a lembrança do Moullet que vamos encerrar.


Entrevista realizada por Cléber Eduardo, Daniel Caetano e Filipe Furtado
Transcrição: Filipe Furtado
Revisão: Daniel Caetano