Crimes Of The Future, de David Cronenberg (1970)


Desde cedo o interesse principal de David Cronenberg é a patologia. A recorrência de médicos, instituições, hospitais, é imrpessionante. Gêmeos Mórbida Semelhança, Enraivecida pela Fúria do Sexo, Scanners, A Hora da Zona Morta... Mas há em seus dois primeiros filmes algo que os diferencia de todos os outros. Stereo e Crimes Of The Future são acima de tudo relatórios médicos, a voz na maioria das vezes separada daquilo que aparece à tela, a narração sempre em off, sem qualquer som ambiente. Parece que é o próprio David Cronenberg que assume a posição de médico, e a câmera é apenas a metáfora da consulta clínica.

Crimes Of The Future acontece "num futuro próximo". O filme se passa numa instituição médica (a "Casa da Pele") para o tratamento de pessoas afetadas por uma estranha doença que parece ter nascido a partir de certos cosméticos e afetado milhões de mulheres. As pessoas afetadas pelo "mal de Rouge" soltam estranhos líquidos por todos os orifícios quando mortas, e os internos do hospital sentem uma estranha pulsão de sorver o líquido que sai dos mortos.

A frieza costumeira de Cronenberg é aqui elevada ao zênite. O filme acompanha as andanças de Adrian Tripod, discípulo do idealizador e chefe da Casa da Pele, desaparecido e possivelmente morto. O filme acompanha o lento relato de Tripod no áudio, enquanto a tela nos mostra, sem qualquer movimento de câmera, os jardins e as imediações do hospital, e o olhar impassível de Tripod diante das vítimas e de seus internos. Todas as mulheres do planeta tendo sido mortas, a sobrevivência da espécie reside nas mãos das meninas pré-púberes que jamais usaram cosméticos, o que faz com que os pedófilos sejam chamados para garantir a reprodução na Terra.

Crimes Of The Future não é nem considerado um "filme" por Cronenberg (ele considera Calafrios sua primeira obra verdadeira), e foi realizado, como Stereo, quando ele ainda se encontrava na faculdade. Obra de experimentação, assemelhada de fato a um relatório médico transposto para o audiovisual, Crimes... pode cansar mais de um, mas tem ritmo e temática incomuns, conseguindo de fato criar interesse no público cinéfilo mais exigente. Além de ser um pequeno ensaio para tudo o que Cronenberg fará dali em diante: orifícios, sexo, doenças bizarras, modificação corporal, ciência, medicina... Crimes Of The Future permite observar a gênese do universo de um dos autores mais importantes de nossa época.

Ruy Gardnier